DICAS CULTURAIS DIVIRTA-SE

11539023_511490789006911_3656693041407344930_o

DICAS CULTURAIS

DIVIRTA-SE

 

Dicas de teatro

MANTENHA FORA DO ALCANCE DO BEBÊ
Mostra um encontro aparentemente comum entre uma assistente social e uma moça que quer adotar o bebê. Aos poucos, no entanto, o público percebe que a moção é cheia de neuroses. No elenco, estão os atores Débora Falabella, Anapaula Csernik, Jorge Emil e Diego Dac. A peça é de Silvia Gomez. Último final de semana para conferir. Grátis. Bilheteria – abre uma hora antes do espetáculo, mas recomendo chegar o mais cedo possível. Dia 18/07 terá apresentação no SESC Rio Preto
(http://www.sescsp.org.br/programacao/67314_MANTENHA+FORA+DO+ALCANCE+DO+BEBE)

A assistente social precisa saber detalhes da vida pessoal, conjugal e cotidiana da moça, mas ela, além de ter um comportamento estranho, fala coisas misturadas, sem muito nexo. Em nenhum momento ela demonstra ter equilíbrio emocional para ser mãe e chega a demonstrar que tem instintos incendiários.

Não é o amor que move a adoção. A moça quer um filho perfeito e para satisfazer caprichos. Como se fosse um objeto que podemos comprar numa loja qualquer.

A situação foge do controle, principalmente porque a assistente social também demonstra sérios problemas de comportamento; certamente está descontente com o seu trabalho e com a sua vida pessoal.

Quando Rubens (Jorge Emil), o marido da entrevistada, chega ao local, algo inesperado acontece.

O diretor Eric Lenate assina diversos trabalhos que mexem com a loucura humana, mostrando que todos nós temos as nossas esquisitices, nossos dramas pessoais (Ludwig e suas irmãs, Mantenha fora do Alcance do Bebê, Sit Down Drama, O Céu Cinco Minutos antes da tempestade, também de Silvia Gomez). Os personagens geralmente extrapolam o limite da sanidade, agindo de maneira diferente do que a sociedade considera  ¨normal¨.

Em Mantenha fora do alcance do bebê, drama e o humor se misturam porque, como a situação dos personagens é desoladora, o humor existente é nervoso, ácido até.

A vida é surreal dentro e fora da sala de entrevistas: Uma superpopulação de lobos toma as ruas, calçadas e linhas de metrô. Dentro da sala, um lobo acompanha a conversa e ajuda nas tarefas cotidianas.

O elenco merece atenção especial. Débora Falabella e Anapaula Csernik precisam estar em total sintonia para que o jogo, intenso, prenda a atenção do espectador.

A luz e a trilha também merecem atenção. O cenário é movido pelo elenco e contribui para dar à encenação um clima surreal, como se a vida fosse montada e desmontada, construída e destruída.

Ficha Técnica e Serviço:

Texto – Silvia Gomez.

Direção, Cenografia e Adereços – Eric Lenate.

Elenco – Débora Falabella, Anapaula Csernik, Jorge Emil e Diego Dac.

Assistência de Direção – Janaína Afhonso.  Assistência de Cenografia – Saulo Santos. Direção de Palco – Diego Dac e Saulo Santos.

Figurinos e Adereços – Rosângela Ribeiro.

Iluminação e Adereços – Alini Santini. Mascareiro – Fábio Pinheiro.

Trilha Sonora, Sonoplastia e Engenharia de Som – L.P. Daniel.

Projeto Gráfico – Laerte Késsimos. Fotos de Cena e Vídeos – Leekyung Kim. Direção de Produção – Ricardo Grasson. Produção Executiva – Cícero de Andrade e Ricardo Grasson. Assistente de Produção – Fran Ferraretto e Felipe Costa.

Sala Jardel Filho do CCSP (Estreia para público em 13 de junho).  Centro Cultural São Paulo.  Duração – 80 minutos. Indicado para maiores de 14 anos. Temporada – Sextas-feiras e sábados às 21 horas e domingos às 20 horas. Até 5 de julho. CENTRO CULTURAL SÃO PAULO – Sala Jardel Filho – Rua Vergueiro, 1000 –Estação de metrô Vergueiro – Fone 3397-4002. Bilheteria – abre uma hora antes do espetáculo. Capacidade – 321 lugares. Acesso para deficientes físicos. www.centrocultural.sp.gov.br

Nine – um musical feliniano

Na trama, um cineasta, Guido Contini, entra em crise criativa e vai passar uma temporada em Veneza. Lá, realidade e imaginação se misturam.

Ele revê a sua vida e encontra as mulheres que passaram por ela: a mãe, a esposa, a produtora, a musa dos seus filmes, a prostituta que marcou a sua infância, etc

O elenco é competente, com destaque para Nicola Lama, o protagonista, e Beatriz Segall, a mãe. Totia Meirelles dá um show em cena e merece aplausos especiais.

A estreia foi um sucesso. A história é interessante e os números musicais inteligentes. O desespero de Guido Contini é grande porque ele precisa entregar o roteiro de um filme. Acaba escrevendo um roteiro baseado na sua vida, mas só assistindo para saber se ele consegue recuperar o sucesso ou não.

O blog Cristiane Bortolossi cobriu a coletiva de imprensa e a estreia. 

¨Nine – Um Musical Felliniano (o subtítulo é exclusivo da montagem brasileira) é um espetáculo com direção de Charles Möeller& Claudio Botelho, que leva ao palco o universo do cineasta italiano, Federico Fellini.

Nine é baseado no clássico 8½, considerada uma das melhores obras cinematográficas do diretor e sempre lembrada nas listas de filmes inesquecíveis do cinema mundial.

Nine estreou na Broadway no início dos anos 80 e, segundo Charles Möeller, foi uma grande ruptura, porque ¨apresentou um espetáculo cerebral, com referências bem diferentes de tudo o que foi feito até então¨

Em 2003, uma remontagem com Antonio Banderas, como Guido, fez novamente um grande sucesso. Nine também inspirou um filme homônimo dirigido por Rob Marshall, em 2009.

Na trama, Guido Contini é um diretor de cinema conhecido internacionalmente que não consegue mais criar. Ele vai passar uns dias em Veneza para descansar e na cidade ele entra em contato com mulheres que passaram pela sua vida: a mãe (Beatriz Segall), a esposa (Carol Castro), a amante (Malu Rodrigues), a musa de seus filmes (Mayana Moura), a prostituta (Myra Ruiz) e a produtora (Totia Meireles)¨.

Reportagem completa:

crisbortolossi.com/2015/05/25/nine-um-musical-felliniano/

Ficha Técnica e Serviço:

Um espetáculo de Charles Möeller& Claudio Botelho

Com TOTIA MEIRELES, CAROL CASTRO, MALU RODRIGUES, LETÍCIA BIRKHEUER, MAYANA MOURA, MYRA RUIZ, RENATA VILELA, CAMILLA MAROTTI, LAIS LENCI, LOLA FANUCCHI, ISABELLA MOREIRA E NICOLA LAMA como Guido Contini

PARTICIPAÇÃO ESPECIAL: BEATRIZ SEGALL

Direção Musical e Versão Brasileira: Claudio Botelho

Cenografia: Rogério Falcão

Figurinos: Lino Villaventura

Coreografias: Alonso Barros e Charles Möeller

Design de Som: Ademir Moraes Jr.

Design de Luz: Paulo Cesar Medeiros

Direção Musical e Regência: Paulo Nogueira

Visagismo: Beto Carramanhos

Coordenação Artística: Tina Salles

Produção Executiva: Edson Lopes

Teatro Porto Seguro. Alameda Barão de Piracicaba, 740 – Campos Elíseos – São Paulo. De 23 de maio a 9 de agosto. Quintas, Sextas e Sábados, às 21h00. Domingos, às 19h00. Duração: 2h15. Classificação etária: 12 anos. Lotação: 508 lugares. Ingressos: Quintas e Sextas. R$ 80 (Frisa/Balcão), R$ 100 (Balcão Vip), R$ 150 (Plateia) e R$ 180 (Plateia Vip). Sábados e Domingos. R$ 100 (Frisa/Balcão), R$ 130 (Balcão Vip), R$ 180 (Plateia) e R$ 200 (Plateia Vip). Vendas: http://www.ingressorapido.com.brFuncionamento da Bilheteria: terça a sábado, das 13h às 21h e domingos, das 12h às 19h00. Formas de pagamento: Débito: Visa Eléctron/ Redeshop. Crédito: Amex/Visa/Mastercard/Dinners/Hipercard | Não aceita pagamento em cheque / Vale Cultura. Acessibilidade. Estacionamento: Estapar – Al. Barão de Piracicaba, 618

Serviço de Vans:

De terça a sexta: das 19h00 à 0h00

Aos sábados, das 13h00 à 0h00

Aos domingos: das 13h00 às 23h00

Itinerário: Estação Luz – Porto Seguro – Estação Luz (saída Praça da Luz / Rua José Paulino). Site:http://www.teatroporseguro.com.br

Espetáculo infanto-juvenil Cada Qual no seu Barril, da Cia. da Revista. Direção, Figurinos e Iluminação: Kleber Montanheiro.

Após diversas temporadas e indicado a vários prêmios, o espetáculo livremente inspirado no livro de Ruth Rocha, Dois Idiotas Sentados Cada qual no seu Barril, fala sobre a intolerância, tema extremamente atual.

O tema é tratado com humor e utilizando a fisicalidade dos cartoons.

O espetáculo não possui texto falado, mas uma dramaturgia corporal nos grandes personagens de desenho animado e nos clássicos filmes de cinema mudo.

Na trama, dois náufragos em uma ilha deserta são obrigados a dividir um mesmo espaço.

Ficha Técnica e Serviço:

Elenco, concepção e dramaturgia corporal: Bruna Longo e Daniela Flor.

Direção, Figurinos e Iluminação: Kleber Montanheiro.

Assistência de Direção e responsável técnica: Luiza Torres.

Criação e confecção de objetos cênicos: Ricardo Costa, Beatriz Nogueira e Adriana Michalski.

Produção: Barcellos Produções Artísticas.

Direção de Produção: Álvaro Barcellos.

Direção executiva: Bruna Longo

Assessoria de Imprensa: Fabio Câmara

Realização: Cia. da Revista

 Armazém Cultural SP, Rua Cariris, 48 – Pinheiros. 80 lugares + 02 PNE.

DATA: 07/06 até 26/07 (Domingo 15h00)

INFORMAÇÕES: 2729 5137

INGRESSOS: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia)

DURAÇÃO: 45 minutos.

GÊNERO: Comédia.

CENSURA: Livre, recomendada para maiores de 05 anos

Últimas apresentações de Para Gelar a Alma, na Capela do Cemitério Consolação

Espetáculo baseado em contos de Edgar Allan Poe e histórias da tradição oral brasileira.

O espetáculo, recheado de  imaginação e mistério, do Grupo Na Companhia de Mulheres,  traz uma história verídica de maldição familiar feminina.

Segundo release enviado à imprensa, o público será recebido por Morella, Ligeia e Berenice, benzedeiras que foram amaldiçoadas e escaparam da morte.

Os espectadores são convidados a ouvir histórias, tomar café e aprender com elas rituais e simpatias.

Ficha Técnica e Serviço:

Dramaturgia e Direção – Márcio Araújo

Elenco – Abigail Tatit, Edi Fonseca e ZezaMota

Direção de Arte – Carlos Moreno

Figurino: Na Companhia de mulheres e Márcio Araújo

Trilha Musical Composta – William Guedes

Execução da trilha – Marina Estanislau (violoncelo) e Toninho Carrasqueira (flauta)

Iluminação – Márcio Araújo

Assistente de iluminação – Marcelo Pessoa

Fotos – Fábio Burtin

Teaser – Marina Certain e Carolina Starzynski

Assistente de produção – Eliana Vaz

Produção Geral – Grupo Na Companhia de Mulheres

Capela do Cemitério Consolação

Rua da Consolação, 1660

Até  05 de julho. Sábados e Domingos às 19h00. Ingressos gratuitos. Capacidade: 40 lugares. Duração: 55 min. Vagas gratuitas no local. Reservas por email: paragelaraalma@gmail.com. Tel. 991.815.184/ 991.232.833.

Para ir além do teatro:

Circuito São Paulo de Cultura, como o próprio nome diz, é um projeto que integra diversas atividades artísticas e leva apresentações gratuitas para todas as regiões da capital.

circuito são paulo de cultura-2

Além da programação de música, teatro, dança e infantil, que foram áreas contempladas pelo programa em 2014, para este ano, o evento também oferece eventos de cinema, circo e literatura,

https://www.facebook.com/circuitospdecultura?fref=ts

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/cultura/noticias/?p=17484

http://circuitospdecultura.prefeitura.sp.gov.br/

Julho:

Angelo Máximo

“Quando a saudade doer” é uma deliciosa viagem pela carreira do cantor, que começou como calouro no Programa Silvio Santos e, em seguida, conquistou o público brasileiro na década de 1970, com sucessos como “Domingo feliz”, “A primeira namorada” e “Vem me fazer feliz”, além de gravações de músicas de seu grande ídolo, Elvis Presley.

> 60 minutos I Livre I Grátis (retirar com uma hora de antecedência)

Dia 04/07 – sábado, às 18h I Sala Olido

Dia 12/07 – domingo, às 19h I Teatro Martins Penna

Dia 26/07 – domingo, às 19h I Teatro Flávio Império

Hermeto Pascoal

O artista alagoano é um dos mais inventivos do Brasil. A carreira, sólida e respeitada, começou na infância, quando, a partir de um cano de mamona de abóbora, montou um pífano para tocar aos pássaros. Eis uma de suas marcas: todo objeto pode virar instrumento musical. E, no palco, o público tem contato com sua imensa experiência criativa.

> 60 minutos I Livre I Grátis (retirar com uma hora de antecedência)

Dia 11/07 – sábado, às 18h I Sala Olido

Dia 12/07 – domingo, às 19h I Centro Cultural São Paulo

 Arnaldo Antunes

Em um show intimista, o artista se apresenta acompanhado de dois músicos e explora, com liberdade, uma nova sonoridade para as canções já conhecidas pelo público. Violões, guitarras, teclados e sanfonas são os instrumentos usados no palco para as novas interpretações de músicas como “O pulso”, “Não vou me adaptar” e “Essa mulher”.

> 60 minutos I Livre I Grátis (retirar com uma hora de antecedência)

Dia 17/07 – sexta-feira, às 19h I Sala Olido

Dia 25/07 – sábado, às 20h I Centro Cultural da Juventude

Cauby Peixoto

“A Voz do violão” traz canções compostas por grandes músicos, como Edu Lobo, Caetano Veloso, Gonzaguinha e Chico Buarque. Acompanhado pelo violinista Ronaldo Rayol, o artista revisita sua celebrada carreira em um show intimista repleto de emoção. “Bastidores” e “Conceição”, entre outros sucessos, compõem o repertório da apresentação.

> 60 minutos I Livre I Grátis (retirar com uma hora de antecedência)

Dia 18/07 – sábado, às 21h I Teatro Alfredo Mesquita

Dia 25/07 – sábado, às 20h I Teatro Flávio Império

As canções que você dançou pra mim

Companhia: Focus Cia de Dança

Direção, concepção, coreografia: Alex Neoral

Elenco: Alex Neoral, Carol Pires, Clarice Silva, Cosme Gregory e outros

Quatro casais são embalados por um “pot-pourri” com 72 canções de Roberto Carlos. O trabalho revisita sucessos como “Detalhes” e “O calhambeque” para trazer à cena o romantismo, o bom humor e a musicalidade do artista. A dança e a música aparecem num casamento perfeito, em um espetáculo para pessoas de todas as idades e tempos.

> 60 minutos I Livre I Grátis (retirar com uma hora de antecedência)

Dias 03, 04 e 05/07 – sexta-feira e sábado, às 20h, e domingo, às 19h I Teatro Flavio Império

Dias 10, 11 e 12/07 sexta-feira e sábado, às 21h, e domingo, às 19h I Teatro João Caetano

Dias 18 e 19/07 – sábado, às 20h, e domingo, às 19h I Teatro Martins Penna

Dias 24, 25 e 26/07 – sexta-feira e sábado, às 21h, e domingo, às 19h I Teatro Alfredo Mesquita

Assim é (se lhe parece)

Texto: Luigi Pirandello
Direção: Marco Antônio Pâmio
Elenco: Rubens Caribe, Martha Meola, Amanda Hayar, Luís Deschamps e outros

Uma família vai morar numa pequena cidade do interior, após sobreviver a um terremoto. Na nova cidade, eles começam a chamar a atenção dos habitantes locais. O motivo: a filha e a sogra moram em casas diferentes. A explicação para o fato ganha várias versões, criando um alvoroço entre os moradores da localidade, ávidos por descobrir a verdade a qualquer custo.

> 90 minutos I 12 anos I Grátis (retirar ingressos com uma hora de antecedência)

Dias 10, 11 e 12/07 – sexta-feira e sábado, às 21h, e domingo, às 19h I Teatro Alfredo Mesquita

Dias 17, 18 e 19/07 – sexta-feira e sábado, às 21h, e domingo, às 19h I Teatro João Caetano

A noite dos palhaços mudos

Companhia: Cia. La Mínima

Direção: Alvaro Assad

Texto: Laerte

Roteiro: La Mínima e Alvaro Assad

Elenco: Domingos Montagner, Fernando Sampaio e Fernando Paz

Stand-in: Marcelo Castro, Paulo Federal

Dois palhaços mudos são perseguidos numa noite por uma seita que pretende extingui-los. Um deles é mutilado e perde o nariz. Solidário, seu parceiro parte com ele para um ousado “resgate nasal”. Perseguições em meio às sombras, truques de magia, musicais e absurdos cômicos marcam a adaptação de HQ Laerte que evocam conflitos contemporâneos. Adaptação de HQ de Laerte teve quatro indicações ao Prêmio Shell 2008 e seis no Prêmio Coca-cola FEMSA de Teatro 2008.

> 60 minutos I 10 anos I Grátis (retirar com uma hora de antecedência)

Dias 12, 13 e 14/07 – sexta-feira e sábado, às 20h, e domingo, às 19h I Centro de Formação Cultural da Cidade Tiradentes

MESA SOBRE MÚSICA E LITERATURA

Os músicos Emicida e Romulo Fróes juntam-se ao músico e professor José Miguel Wisnik e ao escritor Fabrício Corsaletti para discutir sobre as relações entre a literatura e o cancioneiro popular, em encontro mediado pelo editor José Guilherme Pereira.

 7 de julho (ter), 20h – Biblioteca Mário de Andrade

13 de julho (seg), 14h – Biblioteca Afonso Schmidt

14 de julho (ter), 14h – Biblioteca AdelphaFigueiredo

15 de julho (qua), 10h – Biblioteca Pedro Nava

16 de julho (qui), 14h – Biblioteca Cassiano Ricardo

17 de julho (sex), 14h – Biblioteca Alceu Amoroso Lima

FESTIVAL ABCD DE DANÇA

Espetáculo

Local: Teatro Municipal de Santo André – Praça IV Centenário – Centro.

16 de julho. Quinta, às 20h

“Heurói”- Núcleo Luz

Direção e Criação: Chris Belluomini. Assistência de coreografia e ensaios: Ana Luisa Seelaender. Assistência geral e artística: Douglas Iesus, Márcio Greyk e Mauro J. Alves, Música original: Carlos Ranoya. Desenho de luz: Miló Martins. Cenografia, figurino e ilustração: Márcio Macena. Preparação vocal: Juliana Ferretti. Técnico de Luz. Trilha sonora: Panapps. Produção: Renata Montesanti. Elenco: Alessandro Mesquita, Alex Araújo, Amanda Carvalho, Ana Carolina Silva, Bianca Remohi, Camila Bosso, Carlos Araújo, Cristiano Saraiva, Danilo Estevam, Ednelson Guedes, Enoque Gomes, Felipe Almeida, Fernando Ramos, Franciéliton Cardoso, Frank Vinicius, Gustavo Vaz, Harrison Rodrigues, Henrique Moreno, Jeniffer Mendes, Jezreel Pereira, Joelma Souza, Juliana Souza, Kaique Kennedy, Karina Pinedo, Keithy A. Balthazar, Larissa Morais, Larissa Rodrigues, Lee Anderson, Lilian Martins, Lion Lourenço, Lucas Lopes, Maitê Evangelista, Marcelino Dutra, Mariana Prado, Marina Lima, Munique Mendes, Natanael Santos, Nathalia de Alencar, Rachel de Sousa, Rafael Oliveira, Rafaela de Alencar, Renan L. Costa, Renyvaldo Magalhães, Ricardo Januário, Richard Pessoa, Rivaldo Ferreira, Rodrigo Alcântara, Ronilson Silva, Thainá Souza, Thaís dos Reis, Thales Felipe, Victor Almeida, Wellington Matos e Yasmin S. Ribeiro.

Classificação: Livre. Duração: 80 minutos.

Sinopse: O espetáculo “Heurói” trata com humor e delicadeza as aventuras e desventuras que se apresentam no caminho do herói humano.

MAUÁ

Oficina

Local: Espaço das Oficinas – Rua dos Bandeirantes, 611. Vila Bocaina.

17 de julho. Sexta, às 17h

“Matrizes da Dança Brasileira” – Ivan Bernardelli / Dual Cena Contemporânea

Modalidade: Dança contemporânea

Público alvo: a partir de 16 anos.

Conteúdo: A oficina propõe uma investigação coreográfica a partir das relações entre a dança contemporânea e as matrizes das danças tradicionais brasileiras, explorando a complexidade de suas estruturas lúdicas, musicais, rítmicas e espaciais. A

Espetáculo

Local: Céu da Artes – R. América do Norte com América do Sul. Parque das Américas.

17 de julho. Sexta, às 20h30

“BECO” – T.F. Style Cia de Dança

Direção geral: Igor Gasparini. Direção artística: Frank Tavantti. Coreografia, cenografia e figurino: Igor Gasparini e Frank Tavantti. Iluminação e sonoplastia: Gustavo Guerra. Elenco: Bianca Emy, Bruna Sant’Anna, Frank Tavantti, Helon Hori, Igor Gasparini, Luiz Paulo Cordeiro, Marcia Marcos, Marcos Werneck, Mayara Rosa, Natália Moura e Verônica Lopes. Estagiário: Arthur Alves.

Classificação: 12 anos. Duração: 40 min.

Sinopse: “BECO”, de Igor Gasparini e Frank Tavantti, surge a partir de questionamentos sobre o quanto conhecemos a nós mesmos, até onde vão os nossos desejos e o que quer nosso inconsciente.

RIO GRANDE DA SERRA

Oficina

Local: Departamento de Cultura – Rua Pedro Bracialli, 80. Centro.

18 de julho. Sábado, às 14h30

“Percussa – Locking” – Zildo Aparecido Faria Júnior

Modalidade: Dança e música. Público alvo: Livre

Conteúdo: A oficina ”Percussa-Locking” vai proporcionar uma junção da música e da dança, com foco nas danças urbanas e na música corporal percussiva, através de um olhar crítico-experimental dessas artes.

Intervenção

Local: Praça da Bíblia, s/n.

18 de julho. Sábado, às 17h

“Skyline – Poema para lugares altos” – Projeto CO

Direção e coreografia: Paula Petreca. Cenografia e figurino: Bruna Petreca. Sonoplastia: Sara Pinheiro. Dramaturgia: Camila Bronizeski. Elenco: Camila Bronizeski, Juliana Adorno, Letícia Paschoaleti e Paula Petreca.

Classificação: Livre. Duração: 45 minutos.

Sinopse: “Skyline”

De cima de um viaduto, de um prédio, ou de uma ponte, mulheres vestidas de branco acenam para os carros, pedestres e pássaros que passam. Um delírio lírico, um poema dançado…

SÃO PAULO

Exposição

Local: CRD – Centro de Referência da Dança da Cidade de São Paulo

Baixos do Viaduto do Chá s/n, Galeria Formosa. Centro (antiga Escola Municipal de Bailado)

 22 de julho, visitação: Terça a domingo, das 10 às 21h, até 31/7

“20 anos – Companhia de Danças de Diadema”

Organização do fotógrafo Paulo César Lima.

Oficina

Local: CRD – Centro de Referência da Dança da Cidade de São Paulo

Baixos do Viaduto do Chá s/n, Galeria Formosa. Centro (antiga Escola Municipal de Bailado)

22 de julho. Quarta, às 19h

“Visualidades da Dança” – Fábio Jota

Modalidade: oficina teórica e expositiva. Publico alvo: maiores de 16 anos.

Conteúdo: O Pesquisador Fabio Jota apresenta um bate papo sobre a interrelação entre o audiovisual e a dança.

Espetáculos e Intervenção

Local: CRD – Centro de Referência da Dança da Cidade de São Paulo

Baixos do Viaduto do Chá s/n, Galeria Formosa. Centro (antiga Escola Municipal de Bailado)

23 de julho. Quinta, às 21h

“Platô” – iNSAiO Cia de Arte

Direção, coreografia e cenografia: Cláudia Palma. Figurino: Lia Damasceno. Iluminação: André Boll e Silviane Ticher. Sonoplastia ao vivo: Celso Nascimento. Provocação cênica: Mariana Muniz. Provocação filosófica: Rodrigo Vilalba. Audiovisual (processo): Felipe Teixeira. Gravação, edição e finalização: Osmar Zampieri. Elenco: Armando Aurich, Claudia Palma.Celso Nascimento (música original e ao vivo).

Classificação: 14 anos. Duração: 50 min.

Sinopse: “Ninguém entra num mesmo rio uma segunda vez. Pois quando isso acontece, já não se é o mesmo; assim como as águas, que já serão outras.” (Heráclito de Éfeso, filósofo). C

 24 de julho. Sexta, às 21h

“Bolero” – Cia Perversos Polimorfos

Direção: Ricardo Gali. Coreografia: Luis Viana. Iluminação: Vinicius Andrade.Figurino: Ricardo Gali. Vídeo e foto: Fábio Furtado. Colaboração artística: Natália Mendonça, Gabriel Tolgyesi, Patrícia Bergantin, Juliana De Bonis. Elenco: Maurício FlórezRaigoza.

Classificação: Livre. Duração: 30 minutos.

Sinopse: “Bolero” é uma performance da Cia Perversos Polimorfos para a música “El bolero”, do compositor Maurice Ravel, interpretado pelo bailarino colombiano Maurício Flórez Raigoza, atualizando a coreografia “Arrojo”, do venezuelano Luis Viana, sob direção de Ricardo Gali. Teve sua estreia em novembro de 2014 no Sesc Pinheiros, em São Paulo, e apresentações em Medellin/COL e em Paris/FRA.

24 de julho. Sexta, às 21h30

“Ser Híbrido” – Corpo Único

Direção: TonCarbones. Coreografia: A Cia. Figurino: Orlando Dantas. Intérprete criador: Orlando Dantas.

Classificação: 16 anos. Duração: 20 minutos.

Sinopse: Livremente inspirado na obra “Orlando”, de Virgínia Woolf, onde a personagem, passando por diversas situações amorosas, políticas e poéticas, sofre modificações psicológicas e físicas, transformando-se em mulher.

25 de julho. Sábado, às 21h

“Cisza – o último silêncio é a morte” – Com[som]ante Cia de Arte

Direção: Harrison Rodrigues. Coreografia: Cleber Vieira, Francisco Souza, Giovana Santos, Harrison Rodrigues, Jeniffer Mendes, Joelma Souza, Lucas Lopes, Mia Assumpção, Victor Almeida e Wellington Al. Cenografia e figurino: Com[som]antes Cia de Arte. Iluminação: Fernando Ramos. Sonoplastia: Frank Matos. Elenco: Cleber Vieira, Camila Pam, Frank Vinicius, Giovana Santos, Harrison Rodrigues, Jeniffer Mendes, Lucas Lopes e Welington Al.

Classificação: Livre. Duração: 50 minutos.

Sinopse: “Cisza – o último silêncio é a morte” é um espetáculo que percorre linguagens artísticas, enfatizando a dança. Seu embrião surgiu em 2012, em um Laboratório de Criação proposto pelo Projeto Núcleo Luz e pôde amadurecer e ganhar força através do incentivo do Programa para a Valorização de Iniciativas Culturais – VAI 2014. O espetáculo aborda múltiplas relações com o silêncio e, consequentemente, com o som.

Fórum

Local: CRD – Centro de Referência da Dança da Cidade de São Paulo

Baixos do Viaduto do Chá s/n, Galeria Formosa. Centro (antiga Escola Municipal de Bailado)

26 de julho. Domingo, às 17h

”Entre águas: um encontro entre a tradição afro-brasileira e a dança clássica indiana” – Irani Cippiciani

Público alvo: maiores de 15 anos

Bom passeio!

Conteúdo: Na palestra “Entre águas: um encontro entre a tradição afro-brasileira e a dança clássica indiana”, Irani Cippiciani discorre sobre o papel e as possíveis contribuições da tradição dentro do universo contemporâneo em dança, partindo do processo de criação do espetáculo ‘OrèYéyè O, Oxum Tarangam’, coprodução Brasil/Índia, que une a técnica da dança clássica indiana ao riquíssimo universo cultural brasileiro.

Bataha

Local: CRD – Centro de Referência da Dança da Cidade de São Paulo

Baixos do Viaduto do Chá s/n, Galeria Formosa. Centro (antiga Escola Municipal de Bailado)

26 de julho. Domingo, das 19h às 21h

Batalha Locking de B-boys e B-girls

Colaboração: Chemical Funk

Ficha técnica: ABCDança 2015 – 10 anos

Coordenação geral: Ana Bottosso. Produção administrativa: TonCarbones. Paulohttp://verbenacomunicacao.blogspot.com.br/

Por Nanda Rovere

Jornalista e historiadora

nandarovere@hotmail.com10928848_440169949472329_4709229467753456317_n

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s