Fevereiro terminando…Chegou as dicas culturais da Nanda Rovere

12642928_151778145202375_1179001266195702790_n

 

Com amor Brigitte

Pequeno Auditório do MASP

Bruna Thedy e André Corrêa

De Franz Keppler

Direção Fábio Ock

O autor aborda o conflito entre o direito à vida privada e a liberdade de expressão. A idealização do projeto é de Bruna Thedy e Fábio Ock.

A trama está ambientada no Brasil, num momento crítico de sua viagem: Quando Brigitte Bardot veio ao Brasil nos anos 60, antes de chegar em Búzios, a atriz teve que ficar quatro dias reclusa em um apartamento no Rio de Janeiro, para fugir do intenso assédio da imprensa e dos fãs.

No texto de Franz Keppler, o episódio acontece no apartamento de um camareiro de hotel para onde ela foge depois de uma conturbada passagem pelo Copacabana Palace. Nesse lugar  acontece o embate entre os personagens com características diferentes, mas também com muitos pontos em comum. E aí fica a questão:“Por que você é mais do que eu?” Como valorar uma pessoa e considerá-la mais importante do que outras?

A questão da beleza, da perda da privacidade são colocadas em questão, não levando-se em conta somente a vida das pessoas famosas, mas a vida de todos, já que com a internet virar notícia não é muito difícil:  “Considero as câmeras de segurança uma das ferramentas mais representativas quando falamos em invasão de privacidade. Seja na mão de um papparazzi ou nas fachadas de prédios, as lentes que invadem nossas imagens e capturam o que fazemos no cotidiano, são instrumentos que desenham esse quadro que chamamos de século XXI. Diante dessa visão bem particular que queremos dividir com o público, vou instalar várias câmeras de segurança no cenário que, em momentos distintos, vão espionar os atores e outras vezes contracenar com eles”, explica o diretor.

No espetáculo o diretor mistura linguagens:  teatro, vídeo e performance, com inspiração na vida de uma pessoa, mas com um texto de ficção.

Ficha Técnica e Serviço:

Texto: Franz Keppler

Elenco: Bruna Thedy e André Corrêa

Direção: Fábio Ock

Figurino: Zé Henrique de Paula

MakeUp Designer: Beto França

Iluminação: Fran Barros

Assistente de Direção e Projeto Gráfico: Laerte Késsimos

Trilha sonora: Fábio Ock

Fotos: Jefferson Pancieri

Vídeo Mapping e Criaçao dos Vídeos: Laerte Késsimos e Fabio Ock

Produção Executiva: Katia Placiano

Coordenação de Projetos: Egberto Simões

Produtores Associados: Selma Morente, Célia Forte, Bruna Thedy e Fabio Ock

Realização: Morente Forte

Teatro do MASP – Pequeno Auditório (80 lugares)

Avenida Paulista, 1578

Informações: (11) 3149 5959

Bilheteria: Terça a domingo: das 10h às 17h30. Quinta-feira: das 10h às 19h30. Em dias de espetáculo nos Auditórios, a bilheteria funcionará até o horário de início da apresentação. Aceita dinheiro, débito e crédito a vista. Estacionamento Conveniado: PROGRESS PARK Avenida Paulista, 1636 / CAR PARK Alameda Casa Branca, 41

Vendas: http://www.masp.org.br e http://www.ingresse.com

Sexta e Sábado às 21h00 | Domingo às 19h00

Ingressos:

Sexta a e Domingo R$ 50 | Sábado R$ 60

Duração: 80 minutos

Recomendação: 16 anos

Gênero: comédia dramática

Estreia dia 26 de fevereiro de 2016

banner2

Peças no ótimo Teatro Eva Herz

A Alma Imoral – São Paulo

De 20 de fevereiro a 1 de maio de 2016

Sábados às 21h00

Domingos, às 19h00

Duração: 70 minutos

Faixa etária: 18 anos

Ingresso: R$70ha Técnica:

Com Clarice Niskier

Texto: Adaptação de Clarice Niskier do livro “A Alma Imoral”, de Nilton Bonder

Supervisão de Direção: Amir Haddad

Iluminação: Aurelio De Simoni

Trilha Original: José Maria Braga

Cenografia: Luis Martins

Produção: José Maria Braga

Com humor fino e delicadeza, a atriz e dramaturga Clarice Niskier leva à cena sua adaptação teatral do livro A Alma Imoral, de Nilton Bonder. A obra nos faz refletir sobre o certo e o errado, a obediência e a desobediência, a tradição e a transgressão, a hipocrisia e a honestidade, além de abordar temas como religião e biologia.

A Alma Imoral já este em cartaz no teatro de março/2008 a abril/2010.

Unidade: Conjunto Nacional

Endereço: Av. Paulista, 2073 – Bela Vista – São Paulo/SP

tania bondezan

Como ter sexo a vida toda com a mesma pessoa com TANIA BONDEZAN

De 24 de fevereiro a 29 de abril de 2016

Quartas, Quintas e Sextas às 21h00

A sessão dos dias 25/03 e 21/04 será às 18h00

Duração: 70 minutos

Faixa etária: 16 anos (Menor só poderá assistir acompanhado do responsável)

Ingresso: R$70

Ficha Técnica:

Autora: MÓNICA SALVADOR

Tradução: MONICA MAYER

Adaptação: ODILON WAGNER

Cenografia: FERNANDO JAEGER

Figurino: FÁBIO NAMATAME

Trilha Sonora: TONINHO FERRAGUTTI

Músicos: Toninho Ferragutti – Acordeon.

Beto Angerosa – Percussão. Alexandre Ribeiro – Clarineta. Danilo Penteado – Baixo Acústico

Gravação Trilha: YB STUDIOS – CARLOS (Cacá) LIMA e Klaus Sena

Iluminação: ELIAS ANDREATTO

Fotos: ROBERTO WAGNER

Programação Visual: BENJAMIN AZEVEDO (DMBlackninja)

Assistente de direção: ANDRÉ ACIOLI

Projeto Cultural Incentivado CASA JABOTICABA DE CINEMA E TEATRO

Produção Executiva: HELOISA ANDERSEN

Direção Geral: ODILON WAGNER

Annetta Poché, sexóloga búlgara formada na Sorbonne, introduz ao público técnicas para a vida sexual dos casais.

10404446_10152848817163803_665749827483458366_n

Doida, com a atriz Teuda Bara, estreia no SESC Santana

A Atriz, conhecida por seus trabalhos no Grupo Galpão, comemora quatro décadas de carreira

Teuda Bara e Inês Peixoto estão entre as nossas grandes atrizes. Integram o Grupo Galpão de BH. Teuda é uma das fundadoras, enquanto Inês está no Galpão desde 92, quando entrou para integrar o elenco da peça Romeu e Julieta, direção de Gabriel Villela.
Com dramaturgia do estreante João Santos, Doida marca também o encontro de mãe e filho no palco (Teuda e Admar Fernandes). É a realização de um desejo antigo de Teuda, que carrega a vontade de realizar esse trabalho há dez anos.

Doida é um ensaio poético que fala da loucura, da mulher, da infância e de Minas.

O texto é inspirado na obra Contos de Aprendiz, de Carlos Drummond de Andrade e saúda personalidades como Stela do Patrocínio, Arthur Bispo do Rosário, os internos da colônia de Barbacena e Elvis Presley.

A vida de Teuda, com o seu jeito despojado (e o espírito transgressor que aompanha a sua trajetória e a das mulheres de sua família), também serviu de inspiração para a montagem.

Quem conhece a atriz sabe que ela é uma “figura”, de uma simpatia e de um talento enormes. São 75 anos de idade, 40 de carreira, que merecem muita atenção e respeito. Um dos grandes nomes do nosso teatro.

Admar Fernandes toca a trilha ao vivo e tem a função de costurar a história, vivendo o narrador e um menino que dialoga com a Doida da cidade.

LANÇAMENTO DO LIVRO
Teuda Bara – Comunista demais para ser Chacrete

12250065_782002408589299_2778174678571360845_n

https://www.facebook.com/teudabara/
Autor: João Santos
Bate-papo com o autor, a atriz Teuda Bara e a atriz e diretora Inês Peixoto
Dia 5 de março de 2016 (Sábado), das 16h00 às 17h30
Teatro SESC Santana (Av. Luiz Dumont Villares, 579 – Jd. São Paulo)
+INFO.: (11) 2971 8700
Recomendação etária: 12 ANOS
Grátis. Vagas limitadas.
O lançamento e as apresentações, a partir do dia 4 de março, integram o projeto ‘Degeneradas’ que discute o feminismo no Sesc Santana em suas diversas vertentes, por meio de ciclos de conversas, mostra de performances, apresentações de dança, cinema e uma feira de produtos.

Teuda Bara – Comunista demais para ser Chacrete  é, mais que um perfil biográfico, assinada pelo escritor e jornalista João Santos. Uma homenagem, um tributo e um aplauso a uma mulher e uma geração que teve (e tem) a coragem de romper com paradigmas, preconceitos e padrões.

Serviço e Ficha Técnica:
Sesc Santana – Av. Luiz Dumont Villares, 579 – Jd. São Paulo.
Temporada: De 26/02 a 20/03. Sextas e sábados às 21h e domingos às18h.
Ingressos: R$9 a R$30.
Recomendação etária: 12 anos.
Duração: 50 minutos.
Teatro. Capacidade: 330 lugares.
A apresentação do dia 13/03 contará com serviço de audiodescrição.
Elenco: Teuda Bara e Admar Fernandes. Direção: Inês Peixoto. Concepção de cenário e adereços: Daniel Ducato e Inês Peixoto. Figurino: Paulo André. Iluminação: Rodrigo Marçal (Brow). Trilha sonora: Admar Fernandes. Produção: Beatriz Radicchi. Fotos: Eduardo Moura

12596367_1110698308949184_208942710_n

Para saber mais: http://www.deolhonacena.com.br/index.php?pg=4bb&sub=113#linha

12742130_1083589965035352_3274816832910808394_n

No Teatro Eva Herz do Rio

O Processo – Rio de Janeiro

De 1 a 30 de março de 2016

Terças e quartas às 19h30

Duração: 60 minutos

Faixa etária: 18 anos

Ingresso: R$ 40,00 a inteira e R$ 20,00 a meia

Ficha Técnica:

Concepção: Leandro Romano e Luiz Antonio Ribeiro

Direção: Leandro Romano

Dramaturgia: Luiz Antonio Ribeiro (baseado na obra de FRANZ KAFKA)

Elenco: Amanda Grimaldi, Cirillo Luna, Daniel Passi, Gabriel Vaz, Larissa Siqueira da Cunha, e PEdro Henrique Müller

Cenografia: Elsa Romero

Figurino e iluminação: Gaia Catta e Lia Maia

Trilha sonora original: Felipe Ventura e Gabriel Vaz

Assistência de direção: Julia Bernat

Assistência de cenografia, figurino e iluminação: Fernando KlipelCasting

Produção executiva: Renata Magalhães

Direção de produção: Leandro Romano

Realização: TEATRO VOADOR NÃO IDENTIFICADO

O Processo é baseado na obra homônima de Franz Kafka. Na montagem o ator que interpreta K. entra em cena sem nunca ter ensaiado e sem conhecer o espetáculo. Para isso, a cada apresentação, um novo ator é convidado para representar o personagem.

Concepção: Leandro Romano e Luiz Antonio Ribeiro

Direção: Leandro Romano

Dramaturgia: Luiz Antonio Ribeiro (baseado na obra de FRANZ KAFKA)

Elenco: Amanda Grimaldi, Cirillo Luna, Daniel Passi, Gabriel Vaz, Larissa Siqueira da Cunha, e PEdro Henrique Müller

Cenografia: Elsa Romero

Figurino e iluminação: Gaia Catta e Lia Maia

Trilha sonora original: Felipe Ventura e Gabriel Vaz

Assistência de direção: Julia Bernat

Assistência de cenografia, figurino e iluminação: Fernando KlipelCasting

Produção executiva: Renata Magalhães

Direção de produção: Leandro Romano

Realização: TEATRO VOADOR NÃO IDENTIFICADO.

12733506_988595211215072_7882689936351750554_n

Nordestinos

De 11 de fevereiro a 2 de abril de 2016

Quinta a Sábado ás ​19h30.

Duração: 70 minutos

Faixa etária: 12 anos

Ingresso: R$50,00 inteira e $25,00 meia entrada.

Ficha Técnica:

Direção: Tuca Andrada

Dramaturgia: Walter Daguerre

Argumento e Idealização: Alexandre Lino

Elenco: Alexandre Lino, Erlene Melo, Paulo Roque e Rose Germano / Stan-in: Natália Régia

Direção Musical: Alexandre Elias

Iluminação: Renato Machado

Cenário e Figurinos: Karlla De Luca

Preparação Corporal e Movimento: Paula Feitosa

Assistente de Direção e Dramaturgia: Fabrício Branco

Assessoria de Imprensa: Ney Motta

Design Gráfico: Guilherme Lopes Moura

Fotógrafo: Janderson Pires

Revisora Textual: Yonara Costa

Assessória Jurídica: André Siqueira

Produção Executiva: Daniel Porto

Direção de Produção: Alexandre Lino

Realização: Cineteatro Produções

Sinopse: Quatro atores contam quatro diferentes histórias. Os relatos são realizados a partir de depoimentos reais sobre o Nordeste brasileiro.

Cine Vitoria
Endereço: R. Sen. Dantas, 45 – Centro – Rio de Janeiro/RJ

 

Belo Horizonte

Dica da atriz Fafá Rennó, via Guia de tetro

(BH) HERÓIS: UMA PAUSA PARA DAVID
Texto e dir. Paulo Azevedo. heroiis
Sinopse: Um astro do rock no auge da fama está esgotado pelas demandas de ser um mito.

No caminho para mais um ensaio com sua banda, ele se depara com uma formiga.

Esse encontro inesperado provoca uma crise. Entre as tentativas de seguir em frente, ele cria breves pausas para realizar seus desejos mais íntimos.

O roteiro original cria um panorama do rock dos anos 70 com lendárias canções de David Bowie, Pink Floyd, Bob Dylan, Rolling Stones, The Doors, entre outros.
Com Samira Ávila.
Coreografias Ana Paula Cançado.
(55min).
Centro Cultural Banco do Brasil Belo Horizonte – Praça da Liberdade, 450. T. 31 3431.9400.
Qui a seg, 20h00
R$10.
14 anos.
De 25/02 a 07/03.

bananas 15

Para ir além do teatro:

O projeto ARTE – Substantivo Feminino apresenta o Núcleo Artérias e seu Bananas 15

O projeto, iniciado em janeiro com a peça Guerrilheiras ou para a Terra não há Desaparecidos, continua até abril e traz temáticas relevantes e de diferentes pontos de vista sobre o feminino, com debates, shows, oficinas, espetáculos adultos e infanto juvenis.

O ARTE – Substantivo Feminino, segundo os idealizadores, pretende abordar a participação da mulher no universo da arte.

Até abril ainda serão apresentados, dentro do projeto, os espetáculos adultos Carne, da Kiwi Companhia de Teatro com direção de Fernando Kinas, A Brava, da Brava Companhia e direção de Fábio Resende , e Engravidei, Pari Cavalos e Aprendi a Voar Sem Asas!, da Cia Os Crespos. Também faz parte da programação o infanto juvenil OjuOrum, do Coletivo Quizumba, com direção de Johana Albuquerque e dramaturgia de Tadeu Renato.

Concepção/Direção: Adriana Grechi

Criação/Dança: Bruna Spoladore, Lívia Seixas e Nina Giovelli

Colaboração/estágio: Luiza Meira Alves

Trilha Sonora: Dudu Tsuda

Iluminação: André Boll

Produção: Amaury Cacciacarro Filho

Assistência de Produção: Erika Fortunato

SERVIÇO

DANÇA

BANANAS 15

Dias 19 a 21 de fevereiro de 2015, sexta e sábado, às 20h e domingo, às 17h

No trabalho, o Núcleo Artérias investiga gênero por meio da exploração de imaginários e desejos considerados exclusivamente masculinos.

Sala de Espetáculos II. Duração: 45 minutos. Lotação: 80 lugares

Ingressos: R$ 20,00 (inteira); R$ 10,00 (aposentado, pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e servidor da escola pública com comprovante); R$ 6,00 (trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciado no Sesc e dependentes).

Não recomendado para menores de 16 anos

Sesc Belenzinho

Endereço: Rua Padre Adelino, 1000

Belenzinho – São Paulo (SP

Telefone: (11) 2076-9700

http://www.sescsp.org.br/belenzinho

Estacionamento

Para espetáculos com venda de ingressos:

R$ 11,00 (não matriculado);

R$ 5,50 (matriculado no SESC – trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo/ usuário).

chaves

Vila do Chaves é remontada no Memorialda América Latina – exposição A Turma do Chaves”

Serão expostas mais de 60 caricaturas do personagem vivido por Bolaños. Destaque para uma réplica da vila em que os personagens moravam.

Até 13 de março

https://www.facebook.com/events/748985578579018/

Mensagem na página do evento

“Isso, isso, isso” … junto com o 1º Festival de Churros, vai rolar a exposição “A Turma do Chaves”.

O cenário da Vila e o barril do personagem, criado pelo ator mexicano Roberto Bolaños, voltará ao Memorial.

Lembra aquelas fotos engraçadas que você tirou – ou quis tirar – quando montamos a réplica do estúdio da Vila aqui em 2014? Pois é, pois é, pois é … você poderá relembrá-las e repetí-las.

Ela ficará em cartaz de 20 de fevereiro a 13 de março de 2016, no Espaço Gabriel García Márques. As visitações serão de terça a domingo, das 9h às 18h00, com entrada gratuita.

Como dizia Chaves, “Não estava morto, só andava falecido”.

Memorial da América Latina

Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664, 01156-001 São Paulo

Fonte: Site Catraca Livre.

planetario-ibirapuera

O Planetário Aristóteles Orsini, no Parque Ibirapuera foi reaberto ]

O novo planetário ganhou recursos modernos e equipamentos importados para oferecer aos visitantes projeções que permitam uma visão nítida do céu estrelado.

“Este equipamento tem o que há de melhor no mundo hoje para conhecer a Astronomia. O planetário é a melhor forma de aproximar as crianças das ciências, pois desperta a curiosidade científica”, declarou o prefeito Fernando Haddad.

Também haverá cursos, palestras e sessões de cúpula sobre temas astronômicos.

O horário de funcionamento do Planetário Aristóteles Orsini nos meses de janeiro, fevereiro, julho e dezembro é de terça-feira a domingo. Os horários para visitação são às 10h00, 12h00, 15h00 e 17h00.

No restante dos meses as sessões para escolas serão de terça-feira a sexta-feira, às 9h00, 10h30, 14h0 e 15h30. A entrada é gratuita.

Fonte:

Câmara Municipal

vinicius

Poesias de Vinícius de Mores: 

Ausência

Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces.
Porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto.
No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida
E eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz.
Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado.
Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados
Para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada.
Que ficou sobre a minha carne como nódoa do passado.
Eu deixarei… tu irás e encostarás a tua face em outra face.
Teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada.
Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu, porque eu fui o grande íntimo da noite.
Porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa.
Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço.
E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.
Eu ficarei só como os veleiros nos pontos silenciosos.
Mas eu te possuirei como ninguém porque poderei partir.
E todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas.
Serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada.
MORAES, Vinícius de. ANTOLOGIA POÉTICA.

 

Soneto da separação

De repente do riso fez-se o pranto

Silencioso e branco como a bruma

E das bocas unidas fez-se a espuma

E das mãos espalmadas fez-se o espanto.

De repente da calma fez-se o vento

Que dos olhos desfez a última chama

E da paixão fez-se o pressentimento

E do momento imóvel fez-se o drama.

 

De repente, não mais que de repente

Fez-se de triste o que se fez amante

E de sozinho o que se fez contente.

 

Fez-se do amigo próximo o distante

Fez-se da vida uma aventura errante

De repente, não mais que de repente.

 

A rosa de Hiroxima
Pensem nas crianças
Mudas telepáticas
Pensem nas meninas
Cegas inexatas
Pensem nas mulheres
Rotas alteradas
Pensem nas feridas
Como rosas cálidas
Mas oh não se esqueçam
Da rosa da rosa
Da rosa de Hiroxima
A rosa hereditária
A rosa radioativa
Estúpida e inválida
A rosa com cirrose
A anti-rosa atômica
Sem cor sem perfume
Sem rosa sem nada.

 

O Rio
Uma gota de chuva
A mais, e o ventre grávido
Estremeceu, da terra.
Através de antigos
Sedimentos, rochas
Ignoradas, ouro
Carvão, ferro e mármore
Um fio cristalino
Distante milênios
Partiu fragilmente
Sequioso de espaço
Em busca de luz.Um rio nasceu.

Poeta, compositor, intérprete e diplomata brasileiro, nasceu no Rio em 19/10/13 e faleceu na mesma cidade em 09/07/80. Escreveu seu primeiro poema aos sete anos. Fez curso de Direito no Rio e de Literatura Inglesa em Oxford. Ingressou na carreira diplomática, por concurso, em 1943, tendo servido como vice-cônsul em Los Angeles (1947-50), o que abriu sua temática, posteriormente enriquecida pelo seu interesse em teatro e cinema. Serviu também em Paris (duas vezes) e Montevidéu.Interessado em cinema desde estudante, foi crítico e censor cinematográfico.

Aos 19 anos publica seu primeiro livro de versos, Caminho para a Distância, e aos 22, Forma e Exegese (ganhador do Prêmio Felipe d’Oliveira de 1935).

Seu drama Orfeu da Conceição (1953), montado para o teatro em 1956 e transposto para o cinema por Macel Camus em 1959 (como Orfeu Negro), ganhou neste ano a Palma de Ouro do Festival de Cannes e o Oscar de Hollywood como o melhor filme estrangeiro.

Na década de 60 junta-se a jovens músicos no movimento conhecido como Bossa Nova, mesclando elementos de samba e jazz. Comporia, junto com Tom Jobim, a música Garota de Ipanema, símbolo de uma época. Uma grande quantidade de poemas seus foi posteriormente musicada.Escreveu também poesias e assinou canções infantis.

http://www.jornaldepoesia.jor.br/vm.html#biografia

http://www.viniciusdemoraes.com.br/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s