Chegou o dia das dicas culturais da Nanda Rovere

472244a28criacaodesitescrisoftDona Bete

O diretor e ator Elias Andreato está completando 45 anos de uma carreira e está em cartaz com o ator Nilton Bicudo no Teatro Eva Herz, São Paulo, parceria em trabalhos como Myrna e Coisa de Louco.

Nessa nova parceria entre Elias e Niltinho, mais uma vez a dupla apresenta um texto do amigo Fauzi Arap -Dona Bete, escrita em 2007.

Dona Bete é o encontro de profissionais de sucesso (Elias, Niltinho e Arap, in memoriam) e que, além da amizade, têm em comum o amor pelo teatro e a realização de espetáculos que misturam crítica, humor e ironia.

Em cena, a secretária de um Deputado Federal participa de uma entrevista coletiva para esclarecer a sua possível participação na morte de um traficante.

Ela chega acompanhada de seu advogado, Dr. Olavo, e enquanto aguarda o Deputado, que está demorando muito, resolve depor sozinha e acaba se enrolando e revelando fatos que não deveria ter levado à tona.

Como todo caso que envolve pessoas públicas, os jornalistas fazem de tudo para que a secretária conte o maior número de informações e a história vai se transformando num quebra-cabeça, com humor, sem deixar de lado o tom crítico.

DONA BETE

TEATRO EVA HERZ (168 lugares)

Livraria Cultura – Conjunto Nacional

Avenida Paulista, 2073 – Bela Vista

Bilheteria: 3170-4059 / www.teatroevaherz.com.br

Terça a sábado, das 14h às 21h. Domingos das 12h às 19h. Formas de Pagamento: Dinheiro / Cartões de débito – VisaElectron e Redeshop / Cartões de crédito – Amex, Visa, Mastercard, Dinners e Hipecard. Não aceita cheque.

Vendas: www.ingressorapido.com.br

Sábados às 18h00

Ingressos:

R$ 60

Duração: 55 minutos

Recomendação: 14 anos

Estreia dia 12 de Março de 2016

Temporada: até 28 de Maio

 

Serviço

Texto: Fauzi Arap

Direção: André Acioli e Elias Andreato

Elenco: Elias Andreato e Nilton Bicudo

Trilha Sonora: Jonatan Harold e Músicas de Tom Zé

Figurino: Fabio Namatame

Fotos: João Caldas

Logo: ElifasAndreato

Programação Visual: Vicka Suarez

Assessoria de Imprensa: Morente Forte Comunicações

Redes Sociais: Cardamomo (Dani Angelotti e Carol Mendes)

Produção Executiva: Francine Storino

Produtoras: Selma Morente e Célia Forte

Realização: Morente Forte Produções Teatrais

evill

Neverland é um espetáculo encenado na Rua Augusta, com poucas palavras e valorização da imagem e de sensações, já que os atores utilizam materiais como manteiga, talco, manga, chá, soro e chopp).  Evill Rebouças assina a concepção e direção do espetáculo.

Os atores-performers Daniel Ortega, Solange Moreno, Cristiano Sales, Natália Guimarães, Santiago Sabella e Dai Rodrigues, além de um coro de acorrentados, ocupam vários espaços nos arredores da Augusta até chegar à ciclovia da Avenida Paulista.

O grupo pesquisou durante um ano as “faixas de Gaza” (reais e subjetivas) em Heliópolis/Ipiranga e Augusta (centro e bairro).

Como resultado, os atores vivem criaturas patéticas, entre elas, uma noiva ridiculamente feliz; um higienizador que tenta apagar figuras à margem e a mulher sem identidade, que não consegue se reconhecer. Eles vivem numa grande cidade, mas submersos num mundo próprio, à revelia da realidade que os cerca.

Segundo o diretor Evill Rebouças (ganhador de dois Prêmios APCA, com indicação ao Prêmio Shell, Prêmio Femsa e Prêmio São Paulo para Infância e Juventude), a “intenção é fazer com que o espectador passe pela experiência de se sentir separado da cidade ao se unir a esta performance”.

Ficha Técnica

Ideia original, dramaturgia e direção: EvillRebouças

Atores-performers: Daniel Ortega, Solange Moreno, Cristiano Sales, Natália Guimarães, Santiago Sabella, Dai Rodrigues e coro de performers.

Orientação em intervenção urbana e visualidades: Marcelo Denny

Orientação em performance: Eduardo Bruno

Figurinos: o grupo

Sonoridades: o grupo

Adereços: Evill Rebouças

Assistente de direção: Eduardo Bruno

Provocadores teóricos: Carminda Mendes André, Letícia Andrade, Bob Souza, André Rosa, Roberta Ninin, Dodi Leal, Bia Szvat e Miguel Rocha.

Fotógrafos: Bob Souza, Carlos Valle, Ana Luiza Secco Peres, Danilo Barbosa

Fotos de instalação de o Higienizador: Thiago Fogolin

Serviço

Estreia: 21 de abril. Quinta-feira, às 19h30

Temporada: 21 de abril a 13 de maio. Quinta e sexta, às 19h30

Local: Rua Augusta x Peixoto Gomide (início). Cerqueira César/SP

Ingressos: grátis. Reservas – e-mail para artehumus@gmail.com com nome completo, RG e telefone.

Duração: aproximadamente 1h30. Capacidade: 30 pessoas

Informações: (11) 94126.7714

As pessoas interessadas em acompanhar integralmente o espetáculo devem fazer reservas, pois receberão um kit.

blanche

O diretor Antunes Filho estreia peça baseada em Um Bonde chamado Desejo, de Tennessee Williams.

Na versão do diretor, os personagens falam em fonemol, uma língua imaginária. O objetivo é que cada espectador crie a sua história, mas a obra mostra o reencontro das irmãs Stella e Blanche Dubois. Stella (Andressa Cabral) e Blanche Dubois (Marcos de Andrade).

Blanche perde a propriedade da família e vai morar na casa da irmã.

Os conflitos são inevitáveis, principalmente porque rola um clima de romance entre Blanche e o cunhado, Stanley Kowalski.

Duração: 110 minutos

No Espaço CPT, 7º andar

Sexta e Sábado às 21h30 | Domingo às 18h00

Ingressos: R$ 20

exposição sesi

Na exposição Vestígios Paulistanos – Poética da Metrópole Distraída, que acontece na Galeria de Arte Digital SESI-SP em parceria com o British Council, o Coletivo britânico Marshmallow Laser Feast utiliza um scanner panorâmico 360º para realizar a obra digital inédita e interativa denominada DividingLines.

O coletivo, em colaboração com 16 artistas brasileiros em workshop promovido pelo SESI-SP e British Council, capturou e mapeou imagens de paisagens da cidade e as recriou virtualmente em 3D.

O objetivo dos artistas  é promover um novo olhar sobre aspectos inusitados da cidade, despertando o interesse dos jovens e do público em geral.

Outra exposição em cartaz: Contemplação do Invisível (Clássicos de Calçada)

A exposição, dos artistas Deco Nascimento e Tatiana Travisani pretende levar ao espectador experiência sensorial através de dispositivo capaz de captar e revelar a energia eletromagnética gerada pelos telefones celulares, redes wi-fi e antenas dos edifícios ao redor do prédio do SESI-SP.

Serviço:

Mostra digital Vestígios Paulistanos – Poética da Metrópole Distraída

Local: Galeria de Arte Digital SESI-SP (Av. Paulista, 1313 – em frente à estação Trianon-Masp do Metrô)

Período: diariamente, de 18 de março a 8 de maio de 2016

Horários: das 19h00 às 6h00 | Interação com as obras na Alameda das Flores, das 19h00 às 22h00.

Gratuito. Mais informações http://www.sesisp.org.br/galeriadigital

O público poderá interagir com cada uma delas em uma plataforma construída especialmente para a mostra na Alameda das Flores (travessa para pedestres em frente à Galeria de Arte Digital SESI-SP), todos os dias, das 19h00 até às 22h00.

Por meio do site (www.fragmentosvt.com.br) ou dos tablets disponibilizados na plataforma da mostra, o público poderá colaborar com a obra, enviando seus próprios registros fotográficos de pequenos padrões gráficos, comuns e únicos do espaço urbano.

398792_173845869411150_1445180175_n
Alice Ruiz

Drumundana
e agora Maria?

o amor acabou
a filha casou
o filho mudou
teu homem foi pra vida
que tudo cria
a fantasia
que você sonhou
apagou
à luz do dia

e agora Maria?
vai com as outras
vai viver
com a hipocondria

Nota: Paródia do poema “José”, de Carlos Drummond de Andrade.

Brinquedo sério
Música: Celito Espíndola e Jerry Espíndola
Letra: Alice Ruiz

Eu só brinco
quando é muito sério é muito sério
ser o teu brinquedo
Não tem mistério
não tem segredo
quando a gente brinca
quando a coisa é séria
quando o teu limite
é tão perfeito
quando ser brinquedo
pode ser tão sério
Pode haver um dia
em que a poesia
mude de endereço
deixe apenas tédio
mas enquanto isso
vem brincar comigo
vamos até onde
possa ser só riso
possa ir tão longe
possa ser tão lindo
pode ser brinquedo
pode ser tão sério

 

Discreto
Música: Chico César
Letra: Alice Ruiz

até que foi bem discreto
deixando, ao partir, intenso
muito do seu segredo
nem chegou a tempestade,
esses excessos do vento
foi um corte pequeno
nem dor a mais, nem de menos
foi porque tinha que ir
foi porque tinha que ser
mas está aí a cicatriz
que não deixa mais mentir
se foi ou não foi feliz

 

Sonho de poeta
Música: Waltel Branco
Letra: Alice Ruiz

Quem dera fosse meu
o poema de amor definitivo
Se amar fosse o bastante
poder eu poderia
pudera, às vezes,
parece ser esse
meu único destino
Mas vem o vento e leva
as palavras que digo minha canção de amigo. Um sonho de poeta
não vale o instante vivo.
Pode que muita gente
veja no que escrevo
tudo que sente
e vibre, e chore e ria como eu, antigamente, quando não sabia
que não há um verso, amor,
que te contente.

Tudo esclarecido
Música: Itamar Assumpção
Letra: Alice Ruiz

tudo esclarecido
entre as coisas
e os seus
sig
ni
ficados
o que se viveu
tá vivido
o assunto
virou passado
e o que passou

esquecido

entre as coisas esquecidas
estão as melhores lembranças
entre as coisas perdidas
estão os grandes achados

 

Alice Ruiz nasceu em Curitiba, PR, em 22 de janeiro de 1946. Começou a escrever contos com 9 anos de idade, e versos aos 16. Aos 26 anos publicou pela primeira vez seus poemas em revistas e jornais culturais. Lançou seu primeiro livro aos 34 anos.

Seu primeiro livro, “Navalhanaliga”, foi publicado quando tinha 34 anos. Foi casada com Paulo Leminski, já falecido, com quem teve três filhas.

Tem poemas traduzidos e publicados em antologias nos Estados Unidos, Bélgica, México, Argentina, Espanha e Irlanda, tendo sido também convidada como palestrante na Bienal de Lenguas da América no México e na Europalia Brasil em Bruxelas.

http://www.aliceruiz.mpbnet.com.br/

12790959_1518261278480364_108247049244200643_n

No CCBB Rio:

A cuíca do Laurindo

A trama é ambientada nos 40, numa pequena escola de samba do morro de Mangueira.

Mostra as aventuras de Laurindo, um tocador de cuíca, criado pelo mestre Noel Rosa.

Além das músicas desse grande nome da nossa MPB, o espetáculo conta com canções de Herivelto Martins, Wilson Baptista, Haroldo Lobo, Zé da Zilda e Moacyr Luz.

Ficha Técnica:

Texto original: Rodrigo Alzuguir

Direção: Sidnei Cruz

Direção musical: Luis Barcelos

Elenco: Marcos Sacramento, Claudia Ventura, Nina Wirtti, Vilma Melo, Rodrigo Alzuguir, Alessandro Rosa Moreno e Hugo Germano.

 

Teatro I

105 minutos

capacidade 172 lugares

http://culturabancodobrasil.com.br/portal/cuica-laurindo/

https://www.facebook.com/acuicadolaurindo/?fref=

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s