Abril terminando e as dicas da Nanda Rovere chegando…

13087368_10210024359068450_7295830355764812679_n

Em maio, no Teatro Vivo, fiquem ligados: Rainhas do Orinoco, direção Gabriel Villela

Nesse espetáculo, quem for ao Teatro Vivo, terá a oportunidade de ver um espetáculo que traz um elenco de muito talento, com uma direção que sempre prima pela poesia e uma equipe técnica competente.

Walderez de Barros está ao lado de Luciana Carnieli e Dagoberto Feliz.

O texto é do dramaturgo mexicano Emilio Carballido.

Na trama, duas coristas decadentes, Mina e Fifi, estão a caminho de um show, a bordo de um cargueiro no Rio Orinoco (para entreter trabalhadores de um campo petroleiro), mas o barco fica à deriva.

Toda a tripulação, menos um homem esfaqueado, desapareceu.

Ficha Técnica

Texto: Emilio Carballido Tradução: Hugo de Villavicenzio. Direção: Gabriel Villela. Elenco: Walderez de Barros, Luciana Carnieli e Dagoberto Feliz. Figurino: Gabriel Villela Cenografia: William Pereira. Arranjos Instrumentais: Dagoberto Feliz. Direção Musical: Babaya. Iluminação: Caetano Vilela. Assistentes de direção: Ivan Andrade e Daniel Mazzarolo. Produção Executiva: Luiz Alex Tasso. Direção de Produção: Claudio Fontana. Patrocínio: Vivo e 2S Inovações Tecnológicas

Estreia 13 de maio

Teatro Vivo

Sextas às 21h30; sábados às 21h00 e domingos às 18h00.

Teatro Vivo. Endereço: Av. Dr. Chucri Zaidan, 856,

Ingresso:  R$ 50 (sex), R$ 50 a 80 (sáb e dom).Classificação 14 anos. Até 3 de julho.

Rainhas do Orinoco integra o projeto cultural Vivo EnCena, uma iniciativa da Telefônica Vivo.

Ainda esta semana publicarei matéria no www.deolhonacena.com.br

Mais já indico para que coloquem na agenda.

c2a7b69e-ae58-440d-9c52-bcb6d07dbc75

Depois de sucesso no Rio de Janeiro,Os Realistas chega a São Paulo com direção de Guilherme Weber e traz um elenco de grandes talentos: Debora Bloch, Emílio de Mello, Fernando Eiras e Mariana Lima.

Os Realistas, que é montado pela primeira vez na América Latina, marcou a estreia de Will Eno na Broadway.

A atriz Debora Bloch, que já acompanhava e estudava a trajetória do autor, resolveu comprar os direitos da obra depois que assistiu uma montagem da peça.

Guilherme Weber, que assina a direção, encenou vários textos do autor:em 2003 trabalhou com o diretor com Felipe Hirsch na montagem de Temporada de Gripe,depois atuou em Thom Pain – Baseado em Nadae Lady Grey – Em Luz Cada Vez Mais Baixa (2006), além de Ah, a Humanidade e Outras Boas Intenções, reunião de cinco peças curtas do autor, num projeto junto com Murilo Hauser.

Na trama, dois casais de vizinhos se encontram e têm as suas vidas entrelaçadas.  Essas pessoas, comuns e que residem no campo, descobrem que têm muitas coisas em comum, inclusive as casas idênticas e sobrenomes iguais.

Com essa peça, o autor pretende propor discussões sobre o casamento e mostrar que nem tudo é o que parece ser.

Para o diretor, Os Realistas é um exercício sobre o gênero realista. ‘É um gênero em que os heróis dão lugar a pessoas comuns. Nesta história, Eno desloca seus personagens para uma pequena cidade interiorana e campestre, em um movimento de alguma maneira também reverente ao teatro de Tchekhov. Este confronto com a natureza, o vasto e o desconhecido faz com que estes personagens se cruzem em uma comédia existencialista sobre vida, morte, amor e vizinhos’, analisa Weber,

Texto: Will Eno

Tradução: Ursula de Almeida Rego Migon e Erica de Almeida Rego Migon

Direção Geral, Adaptação e Trilha Sonora: Guilherme Weber

Elenco: Debora Bloch, Emílio de Mello, Fernando Eiras e Mariana Lima

Cenografia: Daniela Thomas e Camila Schmidt

Figurinos: Ticiana Passos

Iluminação: Beto Bruel

Direção de Produção: Alessandra Reis

Serviço:

De 2 de abril a 29 de maio

Sextas e sábados, às 21h. Domingos, às 19h.

Teatro Porto Seguro (508 lugares)

Alameda Barão de Piracicaba, 740 – Campos Elíseos

Ingressos: R$ 100 (plateia) e R$ 50 (balcão / frisa)

Duração: 100 minutos

Classificação etária: 12 anos

572244a24criacaodesitescrisoft

No Coração das Máquinas

segunda temporada na Casa do Povo

Gratuito. Retirar o ingresso 30 minutos antes do espetáculo na bilheteria

O espetáculo é o resultado de pesquisas sobre o tema “utopia social”, usando como elemento provocador o histórico e os depoimentos dos antigos funcionários da fábrica francesa de relógios LIP.

Vale ressaltar que a realização deste espetáculo partiu do princípio da horizontalidade e da autogestão, assim como aconteceu na fábrica francesa.

A ocupação e autogestão dos empregados na fábrica de relógios LIP ocorreu nos anos 70, na França.

O público acompanha os acontecimentos da primeira noite de ocupação da fábrica do ponto de vista de sete funcionárias, que lutaram contra a polícia e descobrem a força da utopia coletiva.

Ficha Técnica

Texto: Rita Carelli em colaboração com Marcos Arzua e elenco. Direção: Rita Carelli.

Elenco: Anna Zêpa, Janaína Suaudeau, Manuela Afonso, Nicole Cordery, Renata Roberta, Samya Enes, Thaia Perez. Música original: Daniel Maia. Assistente de direção: Amanda Vieira. Preparação de elenco: Malú Bazán. Direção de produção: André Canto. Realização: Canto Produções.

Serviço:

Local: Oficina Cultural Oswald de Andrade – Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro – São Paulo/SP

Estreia dia 15 de abril até 7 de maio – Quintas, sextas e sábados às 20h

Gratuito. Retirar o ingresso 30 minutos antes do espetáculo na bilheteria.

Censura: 12 anos

Duração: 60 minutos

Lotação: 50 lugares

A 2° temporada

Casa do Povo – Rua Três Rios, 252 – Bom Retiro – São Paulo/SP

De 11 de maio até 16 de junho – quartas e quintas, às 20h

Gratuito. Retirar o ingresso 30 minutos antes do espetáculo na bilheteria.

12 anos

70 minutos

40 lugares

http://casadopovo.org.br/

0898117d-e46c-4c00-977f-8b09850bab03

Blink

Ao lado de Eduardo Pelizzari e sob a direção de Kleber Montanheiro, Ligia Paula Machado encena uma história que fala sobre diversas questões: invisibilidade social, alienação tecnológica, voyeurismo e perseguição. A peça do autor londrino Phil Porter é inédita no Brasil.

Jonas e Sofia são duas pessoas solitárias, que o destino aproxima. Eles residem no mesmo prédio.

Com o objetivo de se aproximar de Jonas, Sofia envia para ele uma tela de vídeo que está ligada a um monitor de bebê com Wi Fi para que Jonas acompanhe o seu dia a dia.

O texto já foi lido no espaço da Cia da Revista, de Kleber Montanheiro e agora estreia no Teatro Aliança Francesa.

Ficha Técnica:

Autor: Phill Porter

Tradução e Adaptação: Francisca Braga

Direção: Kleber Montanheiro

Elenco: Ligia Paula Machado e Eduardo Pelizzari

Figurinos, Cenografia e Desenho de Luz: Kleber Montanheiro

Direção de Produção: Ligia Paula Machado

Assistente de Produção: Luccas Garcia

Trilha e Sonoplastia: André Cortada

Designer Gráfico: Fellipe Guadanuci

Músico: Jonatan Motta

Fotos: Caio Gallucci

Realização: MP – Produção Cultural

Serviço:

Teatro Aliança Francesa, Rua General Jardim, 182 – Vila Buarque. 226 lugares+ 04 PNE. (Estacionamento conveniado em frente)

02/04 até 08/05 (Sábado às 20h30 e Domingo 19h00)

3017 5699 – R. 5602 e http://www.teatroaliancafrancesa.com.br

R$ 50,00 (inteira) e R$ 25,00 (meia)

http://www.ingressorapido.com.br

DURAÇÃO: 70 min

CLASSIFICAÇÃO: 10 anos————-

caa9ee18-2db6-4efc-9afa-41db90e0e183

No Rio de Janeiro:

Estamira – beira do mundoé um espetáculo poético, que fala da loucura humana de maneira emocionante.

A personagem é uma catadora de lixo, que representa a força da mulher que vive à margem da sociedade.  Tem uma visão de mundo peculiar, tanto que já foi também tema de documentário do diretor Marcos Prado.

A atriz Dani Barros leva para o palco uma encenação inspirada no filme e que traz trechos de obras de Ana Cristina Cesar, Antonin Artaud, Manoel De Barros, Michel Foucault, Nuno Ramos e, claro, o pensamento da catadora de lixo Estamira Gomes De Souza.

A atriz dá um show em cena. Recebeu os prêmios Shell, APTR E APCA na categoria “Melhor Atriz”.

Vive com maestria Estamira e coloca em evidência o quanto os seres humanos merecem respeito, independente de sua condição social.

O cenário recria um espaço que lembra um lixão e que ao mesmo tempo remete à memoria da protagonista, com os seus devaneios, alegrias, tristezas.

Imperdível!

Ficha Técnica:

Direção E Dramaturgia: Beatriz Sayad

Atuação, Dramaturgia E Idealização: Dani Barros

Trechos De: Ana Cristina Cesar, Antonin Artaud, Estamira Gomes De Souza, Manoel De Barros,Michel Foucault E Nuno Ramos.

Luz: Tomás Ribas

Cenário: Aurora Dos Campos

(Colaboração: Beatriz Sayad E Dani Barros)

Figurino: Juliana Nicolay

Direção Musical: Fabiano Krieger E Lucas Marcier

Design De Som: Andrea Zeni

Assistente De Direção: Marina Provenzzano

Preparação De Ator: Georgette Fadel

Preparação Vocal: Luciana Oliveira (Fonoaudióloga)

Voz Do Fado: Soraya Ravenle

Preparador Vocal (Soraya): Felipe Abreu

Técnico, Operador De Luz E Som, Contra Regra: Sandro Lima

Técnico E Operador De Luz: Walace Furtado

Microfonista: Allan Moniz

Boneca Getúlio Damado

Fotos: Barbara Copque E Felipe Araújo Lima

Projeto Gráfico: Cubículo

Assessoria De Imprensa: Luciana Medeiros

Edição De Vídeo: Antonio Baines

Assistente De Cenografia: Camila Cristina

Costureira: Cleide Moreira

Colaborou Para Esta Criação: Ana Achcar

Direção De Produção:Verônica Prates

Produção: Quintal Produções

Gerente De Projetos Quintal: Maitê Medeiros

Assistente De Produção Quintal: Thiago Miyamoto

Coordenação Geral Do Projeto: Dani Barros

Realização: Momoenddas Produções Artísticas

31 de Março a 29 de Maio

Quinta sexta e Sábado: 21h00min

Domingo: 19h00min

Teatro Poeira: Rua São João Batista, 104.Botafogo. Rio de Janeiro.RJ. CEP: 22270-030

de74d29c-448c-47ce-9fbb-f30cb0160b8e

Para ir além do teatro:

Show Clarice Falcão

Atriz, cantora, compositora, roteirista e humorista brasileira. Pernambucana indicada ao Grammy Latino na categoria Artista Revelação, em 2013.

Filha de João e Adriana Falcão, ficou conhecida por ter sido membro do grupo humorístico Porta dos Fundos.

Fez curtase filmes, com destaque para O Segundo Minuto e Dois Menos Dois. Em 2007, estrelou com Célio Porto Laços, seu curta de maior destaque, com roteiro de sua mãe.

Ganhou o primeiro lugar no concurso mundial de curta-metragens Project Direct, realizado pelo Googlee foi exibido no Festival Sundance de Cinema.

Está viajando para lançar o seu segundo álbum Eu escolhi você, Eu sou problema meu. O repertório do show inclui músicas de autoria de Clarice, como Duets e Se esse bar. Cidade: Belém-PA

Horário: 21h00

Classificação: 16 Anos

Hangar

Endereço:

Av. Dr. Freitas, s/n – Marco, Belém – PA

13 de maio de 2016

Para saber mais:

https://www.bilheteriavirtual.com.br/detalhes-evento/1186/clarice-falcao/

E

Cidade: Natal-RN

14 de maio de 2016

Horário: 20h00

Classificação: 16 Anos

Arena Dunas

Endereço:

https://www.bilheteriavirtual.com.br/detalhes-evento/1194/clarice-falcao/

7940b4d9-8c79-408d-b535-a026b9cb0ce3

A UECE, associada à Universidade Católica de Brasília (UCB) e ao Governo do Estado do Ceará, realiza entre os dias 24 a 27 de maio de 2016 a Conferência Internacional – Saberes para uma Cidadania Planetária

Realizado em parceria com o Sesc, o encontro trará como palestrante de abertura o filósofo, sociólogo e presidente de honra Edgar Morin.

Estão confirmados mais de 40 conferencistas nacionais e internacionais que abordarãoas obras e ideias do pesquisador francês.

A conferência será um encontro histórico de despedida de Morin,que celebra 94 anos de uma vida.

As inscrições estão abertas até o dia 23 de maio. Para confirmar o cadastro é necessário enviar o comprovante de pagamento, via depósito bancário, para o e-mail recibo.cidadania@gmail.com.

Dados para pagamento da inscrição:

Banco do Brasil

Agência: 008-6

Conta corrente: 27.297-3

Para saber os valores, que não são baratos, visite:

http://www.sesc-ce.com.br/index.php/publicados/4562-conferencia-com-edgar-morin.html

 

Para saber mais sobre Morin:

http://edgarmorin.sescsp.org.br/

¨Se não houver os conhecimentos históricos e geográficos para contextualizar, cada vez que aparece um acontecimento novo que nos faz descobrir uma região desconhecida, como o Kosovo, o Timor ou Serra Leoa, não entendemos nada. Portanto, o ensino por disciplina, fragmentado e dividido, impede a capacidade natural que o espírito tem de contextualizar.  É essa capacidade que deve ser estimulada e deve ser desenvolvida pelo ensino de ligar as partes ao todo e o todo às partes. Pascal dizia, já no século XVII, e que ainda é válido: “Não se pode conhecer as partes sem conhecer o todo, nem conhecer o todo sem conhecer as partes”.

http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/EdgarMorin.pdf

 

A educação segundo Edgar Morin

Por Ana Lucia Santana

http://www.infoescola.com/pedagogia/a-educacao-segundo-edgar-morin/

O pensador e sociólogo francês Edgar Morin elaborou, em sua obra, profundas reflexões sobre a educação. O Homo Sapiens, como ele gosta de se referir ao ser humano, é um fruto da vida natural e da cultura; seguindo esta linha de raciocínio, ele encontra uma forma de construir a Educação dos tempos futuros, embora ela pareça ainda estar tão vinculada ao passado, principalmente ao fragmentar o conhecimento.

Morin defende o pensamento integral, pois ele permite ao homem concretizar uma meditação mais pontual; a pedagogia atua, porém, com seu radical fracionamento do saber, e leva o indivíduo a entender o universo em que vive de forma facciosa, sem conexão com o universal. Assim, rompe-se qualquer interação entre local e global, o que proporciona uma resolução das questões existenciais completamente desvinculada da contextura em que elas estão situadas.

 

O complexo pensamento de Edgar Morin

https://www.ufmg.br/boletim/bol1203/pag5.html

Em palestra na Fafich, intelectual francês criticou economistas por se isolarem do resto das ciências humanas

Maurício Silva Júnior

Morin ressaltou a capacidade humana de enxergar o mundo com um viés poético. A prosa da vida assegura a sobrevivência e a poesia estimula a viver. “Muitas pessoas garantem a subsistência com determinado tipo de trabalho, sem deixar de investir em outras áreas que lhes dão mais prazer”. O pensador ressaltou, ainda, a importância do contexto histórico na formação dos cidadãos. O desafio da complexidade está exatamente na compreensão de “nossa comunidade de destinos”. “Podem nos levar à catástrofe. Por isso a coletividade é tão importante. Diante das batalhas cotidianas, estaremos juntos nas vitórias e nas derrotas”.

 

Pensadores da Educação – Edgar Morin

Pensamento complexo em lugar da simplificação e da fragmentação do conhecimento. Para ele, os saberes foram submetidos a um processo reducionista que acarretou a perda das noções de multiplicidade e diversidade. A sala de aula seria o lugar ideal para começar essa reforma.

Frase

“A escola, em sua singularidade, contém em si a presença da sociedade como um todo”;

“A ciência nunca teria sido ciência se não tivesse sido transdisciplinar”

 

O que ler

A Cabeça Bem-Feita, Edgar Morin, 128 págs., Bertrand Brasil; (La tête bien faite, 1999)

A Religação dos Saberes, Edgar Morin, 588 págs., Ed. Bertrand Brasil (Relier les connaissances, 2000)

Antes de ler Edgar Morin leia:

Karl Marx e Thomas Kuhn

http://educarparacrescer.abril.com.br/pensadores-da-educacao/edgar-morin.shtml

 

Biografia

http://30anos.ipiaget.org/complexidade-valores-educaocao-futuro-edgar-morin/programa/conferencistas/edgar-morin/

 

Os sete saberes necessários à educação do futuro

http://www.teoriadacomplexidade.com.br/textos/textosdiversos/SeteSaberes-EdgarMorin.pdf

 

Baixar Livro A Cabeca Bem-Feita – Edgar Morin Em PDF

lelivros.website/book/a-cabeca-bem-feita-edgar-morin/

 

“Para mim, o problema da felicidade é subordinado àquilo que chamo de  ‘o problema da poesia da vida’. Ou seja, a vida, a meu ver, é polarizada entre a prosa – as coisas que fazermos por obrigação e não nos interessam para sobreviver – e a poesia – o que nos faz florescer, o que nos faz amar, comunicar. E é isso que é importante. Então, eu digo que o verdadeiro problema  não é a felicidade. Porque a felicidade é algo que depende de uma multiplicidade de condições e eu diria mesmo o que causa a felicidade é frágil, porque, por exemplo, no amor de uma pessoa, se essa pessoa morre ou vai embora, cai-se da felicidade à infelicidade.

[…]Em outras palavras, não se pode sonhar com uma felicidade contínua para a humanidade. É impossível porque a felicidade, repito, depende de uma soma de condições. Então, pelo outro lado, o que se pode dizer, pode se tentar favorecer tudo o que permita a cada um viver poeticamente sua vida e, se você vive poeticamente você encontra momentos de felicidades, momentos de êxtase, momento de alegria e, na minha opinião, é isso”. Edgar Morin

Leia a matéria completa em: Edgar Morin: “Se Você Viver Poeticamente Encontrará Felicidade” – Geledés http://www.geledes.org.br/edgar-morin-se-voce-viver-poeticamente-encontrara-felicidade/#ixzz43yqGLIZN
Follow us: @geledes on Twitter | geledes on Facebook

Boa diversão e aprimoramento do conhecimento!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s